domingo, 18 de março de 2012

Futebol é chato. Programas de TV no domingo também são chatos. conversas mecânicas são chatas e irritantes. Pessoas superficiais são extremamente chatas e... a superficialidade é chatíssima. Ter conta no banco é chato. Não ter dinheiro é estupidamente chato. Não ter tempo para o ócio é horrivelmente chato. Não ter um bichinho de estimação também é muito chato. Envelhecer é nostalgicamente chato. Mas amadurecer é chato e bom. Ler sem vontade é chato. Engordar sem perceber é mais que chato. Se sentir feia em dias não propícios para isso, é chato. Gastar o dinheiro dos pais é bem chato, mas a gente acostuma. Não ter sobremesa depois do almoço é tristemente chato. Se despedir das pessoas é chato. Saudade é boa, mas é chata. Tristeza é criativamente chata.  Não ter assunto é chato. 

É tanta coisa chata na vida, que quando se encontra algo bom, a gente ama de verdade. A fim de que o amor apague as drogas chatas da vida... Mas, o amor não ofusca as coisas chatas. Ele só nos faz não nos importarmos com a existência das coisas chatas. E depois que ele passa, tudo volta a ser chato. O mundo é chato, as aulas são chatas, os parentes ficam a cada dia mais chatos. As pessoas felizes são chatas. As tardes sem músicas são incansavelmente chatas, os chefes são filhos da puta chatos. É chato sentir tudo chato.


Nenhum comentário:

Postar um comentário