terça-feira, 13 de abril de 2010

Aprendiz de adulto

Ser adulto é, definitivamente, ser inconstante, indeciso, imprudente, inconsequente. Todos são assim quando descobrem que estão crescendo, pois crescer é sinônimo de ser independente, não dever nada a ninguém, seguir um rumo sem prestar contas. Isso deveria ser a realidade de ser adulto, mas não é assim, todos sabem.

Um adulto tem em si todos os defeitos do Mundo dentro do peito, quando se é "grande" achamos que já aprendemos de tudo, vivenciamos todos os ambientes, conhecemos a nós mesmos, entretanto a verdade é bem mais cruel do que se pensa. Aproveitam-se do momento de ser "responsável" para por em prática todos os erros que podem ser cometidos, todos as falcatruas que podem ser feitas, e todas as decepções que jamais pensaríamos em construir.

Tenho pra mim que quando criança somos mais responsáveis do que quando adultos, pois, pequenos, temos o dever de prestar contas ás nossas mães, fazer tudo certo para não decepcioná-las, andar na linha sempre,cumprir com nossos deveres, ser correto, gentil, boa pessoa, resumindo, temos alguém que nos cobra responsabilidade e nos batem se não cumprirmos elas.

A partir do momento em que nossos pés andam sozinhos sentimos o prazer de exercer os erros, de esquecer os acertos, de quebrar a cara para sentir qual é o gosto do chão. Esse sim é o prazer de um 'aprendiz' adulto, esquecer a responsabilidade e partir para a estupidez, ignorância, imprudência, indecisão. Aliás, a indecisão poderia ser um dos sinônimos de adulto, pois não há ser mais indeciso que um aprendiz de adulto, afinal, decidir para onde seguir a vida, por quais caminhos asfaltar, é mais difícil do que imaginávamos quando pirralhos.

Nos ferramos com gosto, não há ninguém para cobrar, pedir, autorizar, impor, e ao fim nos dar um colo de apoio. Acho que o único mal das mães é pensar que quando adultos os filhos não precisam mais delas, afinal, somos criados para o Mundo. Erram ao pensarem assim, pois é quando descobrimos que somos adultos que precisamos de colo, puxadas de orelha, castigos, palmadas e dias sem assistir TV.

E não adianta negar, quando envelhecermos seremos pais e mães idênticos aos nossos, e quando nossas crias completarem 18 anos iremos soltá-las ao Mundo para quebrarem a cara, beijarem o chão, caírem de porre e ao final dizerem: Meu pais me ensinaram tudo!


Magalli Lima

3 comentários:

  1. Excelente esse último post. Muito interessante como você absorvou e colocou em palavras coisas que vem ao nosso inconsciente aleaotoriamente a todo instante e, mesmo assim, você transformou esse emaranhado de idéias em um belíssimo texto. Parabéns!

    ResponderExcluir
  2. Achei o texto bacana Maga, mas tenho que confessar que tem pontos que não concordei. Mas fora isso muito bom seu texto. É nóis!!!

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir