quarta-feira, 6 de janeiro de 2010

Ao Querido Nada


Nessas férias confusas, monótonas e ociosas resolvi escrever, e o meu tema é: NADA. Isso não quer dizer que não tenho nada a dizer, mas que quero falar do Nada, só isso. O Nada pode levar o ser humano a produzir, é por isso que eu estou a digitar. Percebi que o Nada me faz muita companhia. Desde Dezembro todas as manhã quando acordo às 10:00, cismo em ficar na cama, com os olhos abertos olhando para o teto, o Nada me faz companhia nessas horas.
Sempre quando vou tomar banho e não há como escutar música, penso no Nada, e me sinto com a mente flutuando. Até quando tento assistir Tv à tarde involuntariamente chamo pelo Nada, digo: "Não passa Nada que preste!!". Nas minha leituras, paro ás vezes, me desligo do mundo e dedico um pequeno tempo ao Nada. Surpreendentemente já imitei o Nada, quando alguém me perguntou: "O que está fazendo?", e eu respondi:
- Nada!
O Mundo inteiro explora o Nada e não sabe, só eu nesta postagem disse, até agora, 13 vezes a palavra Nada, fora às que virão. Não adianta negar, todos já fizeram Nada, mesmo que usem sinônimos para denominá-lo, como: Ócio. E já que exploramos tanto o NADA, porque não dedicar está postagem a ele?. Farei.
E como o Nada costuma ser breve quando me faz companhia, serei breve também, pararei por aqui. Irei agora fazer NADA, de novo.

5 comentários:

  1. Nosso nada pode se transformar num tudo, hein. hehehhehhe

    bjs

    ResponderExcluir
  2. Sim, sim léo.

    Obrigado pelo apoio "comentativo". (somos nozes!)

    ResponderExcluir
  3. Po, belo texto einh!! Concordo totalmente com vc...

    ResponderExcluir
  4. Magally só tenho uma coisa a dizer: "Só sei que NADA sei"

    ResponderExcluir