sábado, 9 de maio de 2009

Degraus que ando


Porque é difícil esperar cada
degrau aparecer,

É intediante olhar para trás e
ver cada um deles surgir,

É preocupante ver que o
tempo não para a sua contagem.

É desonesto fugir quando se tem
uma meta,

É tentar encarar como um
encômodo, o que na verdade é um grande problema.

Mas é fácil gritar quando cada
degrau se perde,
É incontrolável não xingar ao
ver cada um deles partir,

É inaceitável ver que o tempo
nunca vai parar para te esperar,

É improvável não chorar diante de um erro.
É olhar para um rio e enxergar um
abismo.


E em cada situação o corpo resolve agir da sua maneira,
mostrando a dor de uma perda, e a alegria de uma
conquista.
Fazendo com que todas as sensações sejam sentidas da maneira
mais intensa. O medo se torna terror e a angústia uma dor no peito que
dilacera a alma.

E tudo é encarado com raiva e ódio,
perguntas e ignorância,
para que no final de uma longa jornada de luta e cansaço
o ser humano olhe para trás e diga:
"Eu realmente vivi a vida!"
Isso só prova que o homem é
incompreensível.


Magalli Souza

Um comentário: